ESTIMULACAO CEREBRAL PARA DEPRESSAO
Cohen, Roni Broder; Fregni, Felipe; Boggio, Paulo Sergio.
Einstein (São Paulo);5(4):368-371, 2007.

Avaliação de fatores associados à duração do tratamento com a estimulação magnética transcraniana repetitiva na depressão
Resumo: Objetivo: Investigar os efeitos da estimulação magnética transcraniana repetitiva em pacientes com depressão maior que se submeteram a esse tratamento durante o período de 2000 a 2006. Métodos: Realizou se um estudo retrospectivo com 204 pacientes, que se submeteram ao tratamento com a estimulação magnética
transcraniana repetitiva,coletando os dados daqueles que tiveram remissão do quadro (definido como escore da HAM-D menor ou igual a 7). Os pacientes foram seguidos até seis meses após o tratamento. A duração média da remissão para essa coorte de pacientes foi 70,2 dias (± 58,4).Resultados: A única variável que foi associada com a duração da remissão no modelo de regressão linear foi o número de sessões com a estimulação magnética transcraniana repetitiva. Conclusão: Nossos achados sugerem que, quanto maior o número de sessões, mais longa a duração dos efeitos da estimulação magnética transcraniana repetitiva. Conseqüentemente, pesquisas futuras que investiguem os efeitos da estimulação magnética transcraniana de repetição precisam explorar essa variável para maximizar os efeitos terapêuticos dessa nova técnica de estimulação cerebral.(AU)
Descritores: Depressão/terapia
Estimulação Magnética Transcraniana
Fatores de Risco
Estimulacao cerebral

Voltar

 

Eletromagnetismo

Bioeletricidade
em Psiquiatría