EMTr, Terapia Magnetica para o Cerebro
Michael Russell
http://mymrykcissy.blogspot.com/2007/12/rtms-magnetic-therapy-for-brain.html

A ideia de que o cérebro é eletroquímico em sua função é bem estabelecida. Portanto, óbvio que a terapia magnética ou a estimulação elétrica do cérebro podem ser utilizadas para tratar uma série de doenças neurológicas e psicológicas, se aplicadas adequadamente. Talvez a mais popularizada terapia eletromagnética para o cérebro foi a ECT (eletroconvulsoterapia), comumente chamada eletrochoque: há muitos anos médicos têm recorrido ao eletrochoque quando os demais métodos convencionais não tenham êxito em tratar depressão e outros transtornos cerebrais. No entanto, a terapia elétrica ECT tem uma reputação de ser extremamente desagradável, brutal. A ECT tem melhorado ao longo dos anos, mas ainda é considerado um tratamento relativamente duro. A terapia magnética, relativamente nova, é chamada rTMS (repetitive transcranial magnetic stimulation) ou EMTr (estimulação magnética transcraniana repetitiva). Ao contrário de eletrochoque, que é um choque súbito de eletricidade, a rTMS é uma repetição de pulsos de energia magnética muito menor administrados ao cérebro por 20 a 30 minutos de sessão. Dr. Anthony Barker, do Reino Unido, desenvolveu a TMS, que era a sua precursora, na década de 1980. Melhorias na tecnologia da terapia magnética na década de 1990 levaram a melhores bobinas magnéticas permitindo ondas de alta ou baixa frequência muito mais precisas e focais para partes específicas do cérebro. A versão atual integrando todas estas melhorias é chamada rTMS. Do ponto de vista do paciente o processo é muito simples. Trata-se de um procedimento ambulatorial com duração de aproximadamente 40 minutos. Não há nenhuma necessidade de anestésico ou preparação, como ocorre no eletrochoque. A máquina utilizada assemelha-se ao que você iria encontrar num consultório dentário. Você irá se sentar em uma cadeira que reclina para trás. Em seguida, um dispositivo que contém a bobina magnética é colocada sobre a parte superior de sua testa. O médico então ajusta a bobina magnética para os alvos muito específicos das partes de seu cérebro, examina sua excitação cortical e determina a intensidade e local de aplicação. Cerca de 30 minutos depois você terá feito com a terapia magnética. Os efeitos positivos em seu cérebro são muito semelhantes ao choque tratamento, mas o efeito negativo da rTMS magnético terapia são uma melhoria radical. Não há nenhuma perda de memória como é comum no eletrochoque e a possibilidade de uma convulsão é quase completamente nula. Os efeitos secundários mais frequentemente relatados da rTMS são uma ligeira dor de cabeça, provavelmente resultante da estimulação dos músculos do couro cabeludo e desconforto do calor gerado pela bobina magnética. Ambos são relativamente amenos e de curto prazo. A rTMS revela-se não apenas eficaz no tratamento da depressão, mas também muitas outras desordens cerebrais e neurológicas. Enxaqueca, acidente vascular cerebral, epilepsia, doença de Parkinson, TOC, foram todos tratados nos ensaios controlados com variados graus de sucesso. Infelizmente, tudo isto é muito novo.

Voltar

 

Eletromagnetismo

Bioeletricidade
em Psiquiatría