Estudo localiza áreas cerebrais ligadas ao otimismo
Reuters
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u339524.shtml

O novo estudo de um grupo de cientistas da Universidade de Nova York (Estados Unidos) apontou duas áreas no cérebro ligadas a pensamentos otimistas. O trabalho, que sondou regiões neurais ativas durante pensamentos positivos, pode ajudar a entender melhor a tendência oposta --a depressão-- afirmam os pesquisadores.

Os cientistas usaram técnicas avançadas de geração de imagens cerebrais para acompanhar a atividade mental de 15 adultos jovens --sete homens e oito mulheres-- enquanto esses voluntários respondiam a perguntas sobre cenários futuros.

As hipóteses apresentadas incluíam ganhar um monte de dinheiro, receber um prêmio, ir a uma festa de aniversário (ou a um jogo no estádio ou ao zoológico), ter uma mentira contada, terminar um relacionamento amoroso, ir a um funeral e outros.

Quando as perspectivas cheias de otimismo eram imaginadas, duas regiões cerebrais --o córtex cingulado anterior rostral e a amígdala-- se mostravam ativas nas imagens.

Semelhança

"O que é interessante é que essas duas regiões que nós vimos envolvidas na projeção de futuros otimistas também são regiões que vemos afetadas em casos de depressão", afirmou Elizabeth Phelps, uma das pesquisadoras envolvidas na pesquisa.

Ainda não está claro o que acontece de errado com essas áreas que possa contribuir para a depressão. "Mas nossos dados podem sugerir que uma das coisas que elas estão fazendo é tornar difícil pensar sobre as coisas de modo otimista. Está claro que um dos primeiros sintomas de depressão é o pessimismo", diz Phelps.

Segundo ela, a descoberta pode ajudar a pesquisa de tratamentos para a enfermidade.

O estudo do grupo da Universidade de Nova York foi publicado na revista "Nature."

Viés otimista

Córtex cingulado anterior rostral é a parte do córtex frontal (perto da testa) que pode estar envolvida em regular reações emocionais.

A amígdala é uma estrutura em forma de amêndoa no lobo temporal (perto da têmpora) medial, uma estrutura envolvida em emoções.

Entender o otimismo saudável é importante porque o otimismo é relacionado à saúde física e mental e ao sucesso.

"Nós podemos ter pessoas que não são necessariamente deprimidas mas têm níveis diferentes de otimismo", afirmou Tali Sharot, pesquisadora do University College de Londres que colaborou como o estudo de Nova York.

Expectativa

Phelps afirma que a pesquisa não está dizendo que essas são as únicas regiões do cérebro envolvidas em otimismo. Os cientistas dizem ter examinado como o cérebro gera o que eles chamam de "viés otimista".

"Humanos esperam eventos positivos no futuro mesmo quando não há evidência para apoiar essas expectativas", escreveram os cientistas na "Nature".

"Por exemplo, pessoas esperavam viver mais e melhor do que a média, subestimavam o risco de ter de enfrentar um divórcio e subestimavam suas perspectivas de sucesso no mercado."

Phelps diz que os pesquisadores tiveram dificuldade para conseguir que os voluntários pensassem em eventos puramente neutros no futuro. "Eles tendiam a torná-los positivos", disse. "Nós meio que topamos com esse viés otimista do qual os psicólogos já haviam nos falado."

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u339524.shtml

Voltar

 

Eletromagnetismo

Bioeletricidade
em Psiquiatría