A modulação de funções autonômicas cardíacas nos pacientes com depressão maior tratados com a estimulação magnética transcraniana repetitiva.
Udupa K, Sathyaprabha TN, Thirthalli J, Kishore KR, Raju TR, Gangadhar BN.
J Affect Disord. 2007 May 7

INTRODUÇÃO: O desequilíbrio autonômico cardíaco clínico secundário é associado com a depressão. A melhoria clínica produzida pela terapia com antidepressivos pode alterar esta disfunção autonômica. OBJETIVOS: Investigar o efeito da terapia de estimulação magnética transcraniana repetitiva (rTMS) nas funções autonômicas medidas pela variabilidade da taxa de coração (HRV) em pacientes da depressão e compará-lo com os inibidores seletivos de recaptação da serotonina (SSRI). MÉTODOS: Os pacientes não medicados com depressão maior diagnosticados pela DSM-IV-TR foram recrutados neste estudo (n=67). A escala basal de depressão de Hamilton (HDRS) e as medidas da função autonômica cardíaca foram gravadas e comparadas com as aquelas após duas semanas da terapia com rTMS (n=27) e de um mês após a terapia de SSRI (n=25). RESULTADOS: Ambas as terapias produziram a redução comparável e significativa em contagens de HDRS. As medidas de HRV indicaram que os rTMS produziram uma redução significativamente maior na relação simpático: parassimpático que sugere a melhoria no balanço simpático-vagal. Os testes de função autonômicas cardíacas convencionais não diferenciaram os dois efeitos da terapia. CONCLUSÕES: O efeito antidepressivo produzido pela rTMS não somente é efetivo, mas também ' corrige' o desequilíbrio autonômico. Os antidepressivos SSRI foram administrados sistemicamente e devido seu efeito cardíaco direto, pode ter mascarado os efeitos que ocorreriam pela melhora na depressão. Alternativamente, a correção neurofisiológica com terapia com fármacos pode ter uma latência mais demorada, assim como seus efeitos terapêuticos.


Modulation of cardiac autonomic functions in patients with major depression treated with repetitive transcranial magnetic stimulation.
BACKGROUND: Sub clinical cardiac autonomic imbalance is associated with depression. Clinical improvement produced by antidepressant therapy might alter this autonomic balance. OBJECTIVES: To investigate the effect of repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS) therapy on autonomic functions measured by heart rate variability (HRV) in depression patients and compare it with selective serotonin re-up-take inhibitors (SSRI) therapy. METHODS: Consecutive drug-naive patients of major depression based on DSM-IV-TR were recruited in this study (n=67). Basal Hamilton depression-rating scale (HDRS) and measures of cardiac autonomic function were recorded and compared with those after two weeks of therapy with rTMS (n=27) and one month after SSRI therapy (n=25). RESULTS: Both therapies produced comparable and significant reduction in HDRS scores. HRV measures indicated that rTMS produced significantly greater reduction in the sympathetic: parasympathetic ratio suggesting improvement in sympathovagal balance. Conventional cardiac autonomic function tests did not differentiate the two therapy effects. CONCLUSIONS: rTMS not only produced antidepressant effects but also 'corrected' the autonomic imbalance. SSRI was systemically administered and hence by direct cardiac effect, may have masked cardiac effects that would have occurred by the improvement in depression. Alternatively, the neurophysiological 'correction' with drug therapy may have longer latency, just as with the therapeutic effects.
PMID: 17490754 [PubMed - as supplied by publisher]
J Affect Disord. 2007 May 7
? Udupa K,
? Sathyaprabha TN,
? Thirthalli J,
? Kishore KR,
? Raju TR,
? Gangadhar BN.
Department of Neurophysiology, National Institute of Mental Health and Neuro Sciences (NIMHANS), Hosur road, Bangalore, 560 029, India.

Voltar

 

Eletromagnetismo

Bioeletricidade
em Psiquiatría