A ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA (TMS) COMO ESTRATÉGIA TERAPÊUTICA NA DEPRESSÃO RECORRENTE REFRATÁRIA: RELATO DE CASO.
Cohen, Roni Broder (1); Landi, Alina (2)
Pôster - XX CONGRESSO BRASILEIRO DE PSIQUIATRIA, 2002

1Centro Brasileiro de Estimulação Magnética Transcraniana; Pós Graduação da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) / Escola Paulista de Medicina.
2Psiquiatra Assistente da Clínica Conviver; Psiquiatria do Hospital Israelita Albert Einstein.


Resumo
Introdução: Através deste relato podemos constatar o alcance terapêutico da Estimulação Magnética Transcraniana (TMS) frente a um quadro de depressão recorrente grave não responsiva a fármacos e à ECT. Quadro Clínico: Paciente feminina, 41 anos, com diagnostico de depressão há 10 anos; tratada desde então apresentou curtos períodos de melhora associada a múltiplas queixas devido efeitos colaterais dos medicamentos. Recebeu inicialmente 10 sessões de TMS de baixa freqüência (1 Hz) sobre o córtex préfrontal dorsolateral direito. Continuou a partir da 11a sessão sob esquema de manutenção mensal concomitante a retirada dos medicamentos. As escalas de Hamilton (17 itens) e Beck foram aplicadas, considerando-se resposta terapêutica a redução ≥ 50% comparada ao valor basal. Resultados: Observou-se melhora clinica significativa na 8a sessão e remissão completa ao término de 10 sessões [redução de 82% na HAM-D (23 pré vs. 4 pós-rTMS) e 91% na Beck (36 vs. 3)]. Sob esquema de manutenção, encontra-se há nove meses assintomática. Conclusões: O tratamento permitiu a retirada dos medicamentos e a remissão clínica completa. A estratégia terapêutica com a TMS pode modificar, em determinados casos, o curso da doença e melhorar a qualidade de vida do individuo com depressão recorrente refratária.

Voltar

 

Eletromagnetismo

Bioeletricidade
em Psiquiatría